O sonho da gravidez

As perguntas e respostas mais frequentes da mulher grávida VIH+

Autora: Drª. Ana Rita Silva, Infeciologista no Hospital Beatriz Ângelo
Tempo aproximado de leitura: 5 minutos

Posso transmitir VIH ao meu filho?

A mulher grávida que vive com VIH pode transmitir o vírus ao bebé durante a gravidez, o parto e a amamentação.

Atualmente, a probabilidade de transmissão vertical (mãe-filho) do VIH é quase “zero”, desde que a mulher grávida esteja sob terapêutica antirretroviral e com a carga viral suprimida durante a gravidez e o parto. 1

A amamentação não está recomendada, aconselhando-se em vez o aleitamento artificial (gratuito em Portugal durante o 1º ano de vida do bebé). 2

A minha medicação VIH pode fazer mal ao bebé?

A medicação antirretroviral está fortemente recomendada na gravidez, devendo ser iniciada tão cedo quanto possível. O benefício é triplo: melhorar a saúde e o sistema imunitário da mulher, prevenir a transmissão ao bebé e prevenir a transmissão sexual ao parceiro. 3

De um modo geral, os medicamentos antiretrovirais não fazem mal ao bebé. Contudo, alguns podem ter efeitos adversos para a mãe ou para o bebé (sobretudo no 1º trimestre), ou podem ser menos potentes no fim da gravidez.

Por isso, o início ou alteração de medicação na gravidez deve ser sempre discutido com o médico que a segue.

Vou tolerar bem a minha medicação VIH durante a gravidez?

Na grande maioria das grávidas, a medicação antirretroviral é bem

tolerada, mesmo naquelas que a iniciam apenas quando já estão grávidas.

Os vómitos ocorrem numa pequena percentagem (2%) e são transitórios (habitualmente no 1º trimestre). 4

Se estiver com dificuldade em tomar a medicação do VIH converse com a equipa que a segue de modo a encontrarem estratégias para a ajudar.

Posso ter um parto vaginal?

Atualmente, está bem definido que o parto vaginal é amelhor opção, desde que a mulher grávida tenha uma boa adesão à medicação antirretroviral e que a carga viral seja indetetável (suprimida). 5

A indicação de cesariana eletiva mantém-se para grávidas com carga viral superior a 1000 cópias/ml ou em que a carga viral seja desconhecida, para grávidas que não fizeram medicação antirretroviral durante a gravidez ou por razões obstétricas (não relacionadas com o VIH).

Posso amamentar?

A amamentação não está recomendada nos países dotados de recursos económicos e com boas condições higiénico-sanitárias. Com o aleitamento artificial, não existe risco de transmissão pós-natal.2,4

Com aleitamento materno, embora seja baixo, esse risco existe: estima-se que 0,5 a 1% dos lactentes adquirem infeção pelo VIH, mesmo com medicação antirretroviral eficaz.

Depois de nascer, o meu filho irá tomar medicação?

De modo a reduzir a probabilidade de transmissão, o bebé terá de fazer medicação antirretroviral por um período de duas a quatro semanas. A quantidade exata de tempo e medicação dependerá da sua carga viral no final da gravidez. 6

Esta medicação também é chamada de profilaxia pós-exposição infantil (PEP infantil), e deve ser iniciada dentro de quatro horas após o nascimento.

Como posso saber se o meu bebé está infetado?

Se não estiver a amamentar, geralmente haverá três testes (com 1 mês, 3 meses e 18 meses de idade) e um teste final por volta do segundo aniversário do seu bebé. 6

Se decidir amamentar, o seu bebé será testado todos os meses enquanto estiver a amamentar, e por mais dois meses após parar de amamentar. Haverá um teste final por volta do segundo aniversário do bebé.

Será que vou cá estar para ver o meu filho crescer?

Estudos recentes indicam que pessoas infetadas com VIH que começam a medicação antirretroviral imediatamente ao diagnóstico têm bom acesso a cuidados médicos vivem tanto quanto as pessoas não infetadas.7,8

Referências

1. Gilleece DY, Tariq DS, Bamford DA, Bhagani DS, Byrne DL, Clarke DE, et al. British HIV Association guidelines for the management of HIV in pregnancy and postpartum 2018.

HIV Med. 2019;20 Suppl 3:s2-s85.

2. Waitt C, Low N, Van de Perre P, Lyons F, Loutfy M, Aebi-Popp K. Does U=U for breastfeeding mothers and infants? Breastfeeding by mothers on effective treatment for HIV

infection in high-income settings. Lancet HIV. 2018;5(9):e531-e6

3. Treatment of Pregnant Women Living with HIV or Women Considering Pregnancy: Treatment Scenarios, acedido a 6 de Dezembro de 2021,

4. Guidelines for the Use of Antiretroviral Agents in Adults and Adolescents Living with HIV, acedido a 6 de Dezembro de 2021,

5. Peters H, Francis K, Harding K, Tookey PA, Thorne C. Operative vaginal delivery and invasive procedures in pregnancy among women living with HIV. Eur J Obstet Gynecol Reprod Biol. 2017;210:295-9.

6. Recommendations for the Use of Antiretroviral Drugs in Pregnant Women with HIV Infection and Interventions to Reduce Perinatal HIV Transmission in the United States,

acedido a 6 de Dezembro de 2021,

7. World Health Organization. (2015). World report on ageing and health. World Health Organization.

8. Apifarma. (Outubro de 2018). Perspetiva holística sobre o valor dos medicamentos em Portugal.

PT-NON-01630 06/2022

Merck Sharp & Dohme, Lda. | www.msd.pt | Tel. 214 465 700

Merck Sharp & Dohme Portugal, Lda. Quinta da Fonte, Edifício Vasco da Gama, 19 – Porto Salvo

2770-192 Paço de Arcos | NIPC 500 191 360

Copyright ©2022 Merck & Co., Inc., Rahway, NJ, USA e suas afiliadas. Todos os direitos reservados.

Conteúdos Relacionados

Conteúdos Relacionados
Copyright © 2022 Todos os direitos reservados. Merck Sharp & Dohme Corp.,uma subsidiária da Merck & Co., Inc. Kenilworth, NJ, USA, conhecida fora dos EUA e Canadá como MSD. Os conteúdos disponibilizados nesta página Web são informação de carácter geral e não substituem em nenhum caso as consultas, tratamentos ou as recomendações do seu médico. INFC-1273571-0000 11/2018

X

Passo 1- Passo 2 - Passo 3
Informação da conta

Passo 1 -Passo 2- Passo 3
Informação pessoal

Passo 1 - Passo 2 -Passo 3
Informações e consentimento profissional